Página do Sindiquímica no Facebook é tirada do ar!

Será que as práticas antissindicais foram atualizadas? É muita coincidência as fanpages do Sindiquímica-PR e do SindipetroPReSC saírem do ar simultaneamente. Detalhe: foi no mesmo dia (15) em que os vídeos em que o presidente Roberto Castello Branco aparece falando inverdades na Comissão de Minas e Energia.

Ainda não se pode afirmar que esse é o motivo, mas tudo indica. “Causa estranheza. Caso se confirme, só mostra como essa gestão trabalha. É bom que os trabalhadores percebam como esses caras têm medo de serem desmascarados”, explica Santiago da Silva Santos, dirigente do Sindiquímica-PR.

Para o dirigente, “agora só resta para a categoria lotar a assembleia geral de hoje (16), às 18h, e aprovar todos os indicativos da FUP. Dar o recado imediatamente”. Ele ainda ironiza: “o gestor da maior estatal do Brasil comete inúmeras gafes e cai nas próprias armadilhas. Aí a criatividade e a liberdade de imprensa é que são atacadas?”.

Vídeo

Na publicação dos sindicatos, há ironias em relação as declarações de Castello Branco. No caso do Sindiquímica-PR, o material é intercalado com respostas do coordenador da FUP, José Maria Rangel, em relação as inverdades do gestor.

A mensagem do “Face” é a seguinte: “Parece que a atividade recente em sua Página não segue as Políticas das Páginas do Facebook. Se você acreditar que a remoção da sua Página foi um erro, poderá contestar esta decisão e analisaremos novamente a questão”.

Leia também a matéria do Sindipetro sobre esse assunto. Além disso, a CUT emitiu um comunicado denunciando que a perseguição pode ser ainda maior: Facebook tira do ar cinco páginas de entidades ligadas à CUT no mesmo dia.

O Sindiquímica-PR já fez a contestação via Facebook. “Agora é aguardar a resposta. Não iremos medir esforços, inclusive juridicamente, caso necessário, para restabelecer nosso canal de comunicação. Isso é censura”, completa Santiago. Acrescenta que não está descartada a ação de perfis fakes, robôs, que apoiam o atual Governo Federal e que concordam com a entrega do nosso patrimônio.

Fonte: Sindiquímica-PR