Em audiência pública, Sindiquímica mostra o impacto do fechamento da Fafen-PR para Araucária

Aconteceu na noite de ontem (26), no auditório da Câmara Municipal de Araucária, audiência pública para discutir os pontos da privatização da Petrobras e fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Ansa/Fafen-PR).

O diretor do Sindiquímica, Santiago da Silva Santos, elencou uma série argumentos mostrando a importância da permanência da unidade da Petrobrás no município de Araucária.

Ontem, a estatal anunciou o fim das negociações em torno da venda da unidade. Sem acordo com os grupos econômicos que haviam demonstrado interesse, e a diretoria da empresa tem demonstrado intenções de fechar a Ansa/Fafen-PR. “A carta que está posta na mesa da direção da Petrobras é de fechamento da Fafen-PR. Isso é um risco enorme na questão da soberania nacional e da segurança alimentar no nosso país”, disse Santiago.

O diretor do Sindiquímica lembrou que 20% da arrecadação do PIB vem do agronegócio, e a importância da ureia (fertilizante) para o setor. Hoje, 80% do principal insumo para cultivo vem do exterior. Também foi destacado por Santiago como os fertilizantes impactam os preços de produtos terceiros, caso da carne, uma vez que a comida para o gado torna-se mais cara. “Se hoje nós estamos pagando tão caro na carne é consequência da falta de estratégia do governo na questão do fertilizante”.

Após o panorama geral, Santiago trouxe aos vereadores presentes na audiência dados para mostrar o impacto do fechamento da Fafen-PR no município de Araucária.

“A folha de pagamento, somente de funcionários próprios, em torno de 400 pessoas, é de 10 milhões de reais. Destes, 50% ficam em Araucária. Se a Fafen-PR fechar, deixará de circular no município 5 milhões de reais”, explicou Santiago.

Além disso, por mês, somente com prestação de serviço, a unidade arrecada para Araucária cerca de R$ 200 mil. “Com esse valor, dá para pagar cerca de 75 professores mensalmente”.

“Não é cabível a direção da Petrobras tomar uma decisão do dia para noite de fechar uma empresa como a Fafen somente para atender o mercado internacional ou simplesmente por lucro, lucro e lucro. Há trabalhadores que dependem dela, há um município que depende dela”, disse Santiago aos presentes.

No total, a Fafen tem mil funcionários, entre os próprios e os terceirizados, sem contar a movimentação no setor de serviços, atraindo empresas para o município. De acordo com Santiago, o fechamento da Fafen acarretará em todas essas perdas.

A audiência pública foi uma proposição dos vereadores Aparecido da Reciclagem (PDT) e Fabio Alceu Fernandes (PSB) e contou com o apoio de instituições da sociedade civil que batalham pela soberania nacional e são contrárias à privatização da estatal, tema que também foi discutido.

Vale lembrar que a Repar e a Araucária Nitrogenados representam 76% da arrecadação do polo de Araucária.

Santiago concluiu sugerindo a presença do diretor-presidente da Ansa/Fafen-PR na Câmara do Município de Araucária.

“Nosso objetivo e nossa proposta é encaminhar uma convocação para o diretor-presidente da Fafen, para que ele venha se explicar aqui na Câmara para o povo de Araucária”, concluiu.

Fonte: Sindiquímica-PR