5 de outubro: é hora de fortalecer a luta contra a exposição ao benzeno

Em 2019, o tradicional Dia Nacional de Luta Contra a Exposição ao Benzeno, celebrado em 5 de outubro, carrega uma relevância política ainda maior. O governo Bolsonaro, inimigo declarado dos trabalhadores, vem provocando uma série de retrocessos em instrumentos que garantem a saúde da classe trabalhadora.

Em agosto, o presidente editou a portaria 972, extinguindo dezenas de comissões tripartites que atuavam dia e noite para melhorar os mecanismos de proteção à saúde do trabalhador.

Uma delas é a Comissão Nacional Permanente do Benzeno (CNPBz), em funcionamento há mais de 20 anos e protagonista do Acordo Nacional do Benzeno, criado em 1995. O Acordo foi o grande responsável por proibir qualquer exposição dos trabalhadores ao benzeno, determinação que está mantida até hoje na Norma Regulamentadora (NR) 15.

Esses avanços, contudo, estão ameaçados no governo Bolsonaro, que está acabando progressivamente com as NRs. O Governo Federal já deu início aos debates para reformar a NR 15 e, assim, abrir brechas para a exposição dos trabalhadores ao produto cancerígeno.

Mesmo burocraticamente extinta por Bolsonaro, a CNPBz continuará atuando em defesa da saúde dos trabalhadores. A comissão convida os trabalhadores para participarem das atividades de prevenção e conscientização sobre o benzeno que serão realizadas nos sindicatos e em outros espaços no dia 5.

Somente a luta dos trabalhadores poderá barrar esses retrocessos!

Por que 5 de outubro?

No dia 5 de outubro de 2004, o operador da Refinaria Presidente Bernardes, Roberto Kappa, faleceu de leucemia mieloide aguda, doença provocada pela exposição frequente ao benzeno.

Desde então, trabalhadores se mobilizam nessa data para fortalecer a luta por melhores condições de trabalho e mais saúde.

Fonte: Sindiquímica-PR