Trabalhadores aprovam estado de greve em assembleia do Sindiquímica-PR

Na última quinta-feira (28), o Sindiquímica-PR realizou uma assembleia para debater com os trabalhadores a proposta da Petrobrás sobre o Acordo Coletivo de Trabalho. Em 14 de setembro, a companhia, suas subsidiárias e a Araucária Nitrogenados fizeram uma proposta que reduz os benefícios já conquistados pelos petroquímicos.

A categoria debateu a necessidade de fortalecimento da luta e da união entre os trabalhadores diante da situação da Petrobrás e da conjuntura política que o Brasil vive. Nesse momento adverso, com a Reforma Trabalhista, Lei da Terceirização e a ameaça de privatização das empresas estatais, é preciso construir um movimento forte para impedir que haja a redução de direitos.

Os trabalhadores rejeitaram por unanimidade a proposta de Acordo Coletivo apresentada pela Petrobrás, baseados na premissa “Com redução de direitos não tem acordo”.

Diante da proposta insuficiente da empresa, a categoria aprovou o estado de greve e assembleia permanente.

O diretor do Sindiquímica-PR Sérgio Luiz Monteiro destacou que essas decisões irão pautar as próximas negociações com a Petrobrás. “Estamos no início da negociação, mas devido às propostas que a companhia fez na primeira reunião, a rejeição está sendo votada em todos os sindicatos filiados à Federação Única dos Petroleiros [FUP]. Não vamos tolerar nenhum direito a menos”, enfatizou.

Fonte: Sindiquímica-PR