Governo Bolsonaro agrava a crise da atividade industrial no Brasil

A euforia dos patrões e do mercado com a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência da República está cada vez menor. Isso porque os números dos primeiros meses de seu governo revelam o fracasso da política neoliberal aplicada pelo presidente.

Além do crescimento do desemprego, que atinge 13,4 milhões de brasileiros, a atividade industrial também recuou. O setor encolheu 0,2% no primeiro bimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado.

O recuo faz parte de uma trajetória maior de diminuição da participação da Indústria no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Em 2018, somente 11,3% da riqueza produzida no país estava relacionada à atividade industrial. Para se ter uma ideia, o setor respondia por 30% do PIB em 1980.

Trata-se de uma tendência mundial, já que o setor dos serviços têm predominado na maioria das economias. As questões internas de cada país, no entanto, influenciam diretamente a importância da indústria para o PIB. E, nesse ponto, o Brasil vai de mal a pior.

Não bastassem a falta de mecanismos de financiamento, os problemas de infraestrutura e o baixo investimento em ciência em tecnologia, o governo Bolsonaro vem promovendo um verdadeiro atentado contra o desenvolvimento da indústria nacional.

Bolsonaro contra o Brasil

Não há mais dúvidas de que a política neoliberal aplicada primeiro por Temer e, agora, por Bolsonaro não conseguirá retomar o crescimento da atividade industrial no país. Aos poucos, o discurso de que a economia seria aquecida pelas reformas trabalhista e da Previdência fica cada vez mais distante da realidade.

Hoje, o Brasil tem um governo que praticamente abandonou os interesses nacionais para favorecer os Estados Unidos e o mercado financeiro. A incompetência de Bolsonaro, que optou por agredir grande parceiros comerciais do Brasil como o Mercosul, a China e os países árabes, está cobrando um alto preço para a economia brasileira.

Para o diretor do Sindiquímica-PR Santiago da Silva Santos, o presidente não está interessado em desenvolver o país, já que está retirando poder de compra dos brasileiros e sufocando a pesquisa que movimenta a Indústria.

“Sabemos que uma economia só se recupera se os cidadãos conseguirem comprar. Isso movimenta a indústria e uma série de serviços. Bolsonaro está indo no caminho contrário: só fala em privatizar, retirar direitos e achatar o salário e os benefícios dos trabalhadores. Nenhum setor econômico vai se recuperar com essas medidas. Bolsonaro está se tornando o verdadeiro inimigo do Brasil”, afirma.

Fonte: Sindiquímica-PR