Gerenciamento da Petrobrás em relação à segurança coloca trabalhadores em risco

Após um pedido da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) para conhecer as dependências da Araucária Nitrogenados e verificar questões de segurança, foi comprovado que o gerenciamento de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) dentro da Petrobrás está cada vez mais precário, pois gestores estão priorizando a promoção pessoal dos gerentes em vez da segurança dos trabalhadores.

O Sindiquímica-PR vem denunciando essa prática e também o Sistema Integrado de Padronização Eletrônica da Petrobrás (SINPEP), que caracteriza um treinamento virtual e gera um risco iminente para os trabalhadores e para a população no entorno da fábrica. Além disso, as capacitações não esclarecem dúvidas e muitos funcionários realizam os treinamentos por pressão e intimidação das chefias.

Esse assédio moral tem sido uma prática constante dentro da Araucária Nitrogenados e tem se intensificado nos últimos dois anos, com gerentes que procuram mascarar sua incompetência por meio dessas atitudes, inclusive promovendo a perseguição de dirigentes sindicais e de trabalhadores que não estão alinhados com a chefia, separando grupos de funcionários que operam juntos há anos.

De acordo com o diretor do Sindiquímica-PR Gerson Luiz Castellano, essas mudanças são inadequadas e aumentam os riscos de acidentes na unidade. “Essa redistribuição de grupos mexe com a vida dos trabalhadores e está sendo feita em um momento inapropriado, em que a empresa passa por paradas e partidas constantes. Tudo isso mostra a falta de compromisso da gestão com os funcionários. Quem se deparar com essas situações deve denunciar ao sindicato para que possamos tomar as medidas cabíveis”, destaca.

Fonte: Sindiquímica-PR