Conheça as resoluções do Seminário Nacional dos Petroleiros Terceirizados e do Setor privado

Setor Privado.jpeg

O Seminário Nacional dos Petroleiros Terceirizados e do Setor privado, que aconteceu em Salvador, na terça-feira, 24/07, organizado pela Federação Única dos Petroleiros, reuniu trabalhadores da base e diretores da FUP e dos Sindipetros da Bahia, Norte Fluminense, Espirito Santo e Rio Grande do Norte.

O seminário foi considerado bastante produtivo pelos participantes que, no período da manhã, assistiram a uma palestra do economista do DIEESE, Iderley Colombini, que fez uma análise do setor petróleo no Brasil e no mundo, abordando a nova geopolítica do petróleo, com foco no crescimento do setor privado. Houve também, sob a coordenação do jurídico da FUP, análise de uma adequação estatutária para ampliar a representação sindical deste segmento e apresentação do Sispetroba, novo sistema de pesquisa e atualização de Cat´s (Comunicação de Acidente de Trabalho) do Sindipetro Bahia.

Após debate sobre os assuntos em discussão e diagnóstico do setor, foram criados grupos de trabalho, que no período da tarde fizeram um levantamento sobre os problemas que atingem os trabalhadores terceirizados e do setor privado em todo o Brasil.

“O nosso grande objetivo nesse seminário foi não só realizar um diagnóstico do setor, mas entender quais são as causas dos problemas e apontar soluções e estratégias, que nos levem a fortalecer esse segmento, inclusive, devido à sua grande e crescente importância”, explicou o diretor da Secretaria de Relações Internacionais e Empresas Privadas da FUP, Enéias Zanelato.

O coordenador do Sindipetro Bahia, Deyvid Bacelar, apontou alguns desafios que devem ser enfrentados, entre eles a construção de uma convenção coletiva para o setor, em nível nacional.

Problemas

Entre os problemas apontados pelos grupos de trabalho estão o assédio moral e a opressão aos sindicalizados, a marginalização do movimento sindical, os baixos salários, a sub-notificação de acidentes de trabalho e a falta de consciência de classe, que, infelizmente, ainda é uma realidade.

A atual política econômica do país, o desmonte, desinvestimentos e tentativas de privatização do Sistema Petrobrás também afetam a organização do setor. Outros pontos danosos são a nova legislação com a contrarreforma trabalhista, a lei da terceirização e os baixos valores dos contratos (políticas de dumping).

Soluções e estratégias

Foram muitas as proposta de soluções apresentadas que podem possibilitar a criação de uma política nacional para o setor e ampliar a representação destes petroleiros pela FUP e seus sindicatos filiados. Conheça algumas delas:

  • Promover atividades que levem a uma maior interação categoria/sindicatos
  • Parcerias com as CIPA`s
  • Realização de simpósios abordando assuntos de interesse dos trabalhadores
  • Publicizar as ações em andamento e as conquistas dos sindicatos
  • Incluir cláusulas de proteção nos acordos firmados
  • Garantir os direitos dos Acordos Coletivos de Trabalho vigentes nos processos de licitação da Petrobrás.
  • Reuniões niveladas e itinerantes, a cada dois meses, em cada sindicato para tratar sobre o setor.
  • Boletim unificado, envolvendo os 13 sindicatos filiados à FUP.
  • Potencializar a comunicação dos sindicatos, dando ao trabalhador maior conhecimento da realidade e conjuntura atual do seu segmento.

Saiba mais

  • Via Sindipetro Bahia