Estados europeus rejeitam intervenção na Venezuela e isolam Trump e Bolsonaro

Estados europeus rejeitam intervenção na Venezuela e isolam Trump e Bolsonaro

A União Europeia posicionou-se na manhã desta segunda-feira (25) contra a intervenção militar na Venezuela, defendida pelo governo dos EUA, pelo governo da Colômbia e pelo clã Bolsonaro. “A posição da União Europeia neste contexto é muito clara: é preciso evitar a intervenção militar”, afirmou a porta-voz da diplomacia europeia, Maja Kocijancic.

Segundo a porta-voz, a União Europeia quer uma saída “pacífica, política e democrática” para a crise, o que “exclui a violência”, informa a HispanTV.

Representantes de 13 dos 14 países do Grupo de Lima, com exceção do México, se reúnem em Bogotá para discutir a crise na Venezuela. Apesar de os Estados Unidos não participarem oficialmente como país membro do bloco, representantes do governo Trump vêm acompanhando as reuniões – desta vez com a presença do vice-presidente estadunidense Mike Pence.

Manifestada poucas horas da reunião do Grupo de Lima em Bogotá, a posição da União Europeia é ainda mais relevante. O chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente do país, compareceu ao encontro para defender que a América Latina apoie a opção militar.

A posição da União Europeia isola a tríplice aliança entre o governo americano (Trump), o colombiano (Duque) e o clã Bolsonaro, que sequer representa a posição unificada do governo brasileiro. Enquanto Jair e seus filhos acompanham Trump e batem o tambor da guerra, com o sempre obediente Ernesto Araújo às ordens, os militares que comandam o governo rejeitam, segundo o vice-presidente Hamilton Mourão, uma intervenção no país vizinho.

A senha para a intervenção foi dada sábado por um Juan Guaidó derrotado depois que o projeto de invasão do território venezuelano com a fantasia de “ajuda humanitária” fracassou e o presidente eleito da Venezuela, Maduro sagrou-se vencedor do “Dia D”, como a extrema-direita denominou o dia 23 de fevereiro e abandonou a denominação assim que sua derrota tornou-se clara.

Derrotado e isolado em seu país, ele apela diretamente ao império para que invada seu país. Por isso, foi qualificado por Maduro no sábado como “traidor”.

Povo venezuelano resiste

O fim de semana foi marcado por tensões na fronteira da Venezuela com a Colômbia, onde manifestantes contrários ao governo bolivariano tentaram forçar a entrada de “ajuda humanitária” dos Estados Unidos em território venezuelano. O governo de Nicolás Maduro acusa a ação de ser uma tentativa de infiltrar um “cavalo de troia” no país para abrir caminho a uma intervenção militar. Após horas de conflito, o plano de Guaidó de furar o bloqueio venezuelano fracassou.

“Todos contribuíram, desde as mulheres que ontem no combate foram, em meio ao palco do conflito, levar água com limão para nossos soldados [para ajudá-los a enfrentar o calor seco da região], até as mulheres e homens que resistiram a mais de 15 horas de enfrentamentos, de ataques paramilitares, de ameaças”, afirmou o representante do governo nacional no estado venezuelano de Táchira, Freddy Bernal.

Ele se refere aos 1.500 civis venezuelanos que se uniram aos agentes militares na fronteira com a Colômbia para evitar que opositores de Maduro furassem o bloqueio e entrassem no país com uma suposta ajuda humanitária vinda dos Estados Unidos. Segundo o governo colombiano, o carregamento incluía 90 toneladas de alimentos.

Os dirigentes da FUP, Cibele Vieira e Alexandre Finamori, participam na Venezuela da Assembleia Internacional dos Povos (AIP), junto com delegações de 85 países. O encontro teve início no domingo, 24, e prossegue até 27 de fevereiro.

A subserviência do governo Bolsonaro

“Além de não ter dado em absolutamente nada, em termos práticos, o papel do Brasil na tentativa de intervenção americana na Venezuela está sendo um fiasco do ponto de vista político. A participação desnecessária e sem sentido, além de subserviente, expõe, mais uma vez, o Brasil a um vexame planetário. O mundo inteiro está nos vendo como um país ajoelhado e nu diante dos Estados Unidos, único interessado nessa patifaria que se comete contra um país que elegeu o seu governo de forma legítima. Um país cujo pecado é ser potencialmente rico em razão de suas reservas milionárias de petróleo, alvo único da ira de Donald Trump e seus miquinhos amestrados brasileiros e colombianos”, afirmou o jornalista Gilvandro Silva, em artigo no Brasil 247.

“Não é preciso ser defensor do governo de Nicolás Maduro para repudiar, com veemência, a intromissão absurda e criminosa dos governos dos Estados Unidos, da Colômbia e do Brasil nos assuntos internos da Venezuela”, declarou o cientista político Aldo Fornazieli. “A farsa da ajuda humanitária ficou desnudada. Tratava-se de um ardil, de uma emboscada, para promover um golpe interno por meio de uma ação externa, visando derrubar o governo venezuelano e instalar um governo ilegítimo e golpista de Juan Guaidó”, destacou.

Fonte: FUP