Argentinos entram em greve contra reformas de Macri

Sindicatos e organizações políticas e sociais se concentraram nesta quinta-feira, 14, ao redor do Congresso argentino para impedir a votação de um controverso projeto de reforma previdenciária que o governo de Manuel Macri quer tranformar em lei. Há notícias de violenta repressão por parte da polícia. O edifício do Parlamento foi cercado por tropas de policiais horas antes do início da sessão legislativa.

Cerca de 300 mil pessoas protestam contra as “reformas” do governo, na tentativa de pressionar os parlamentares a não aprovar ‘o saqueio’ na Previdência e a alteração das leis de trabalho, nos mesmos moldes das reformas de Michel Temer no Brasil.

Sindicatos e organizações políticas e sociais se concentraram nesta quinta-feira, 14, ao redor do Congresso argentino para impedir a votação de um controverso projeto de reforma previdenciária que o governo de Manuel Macri quer tranformar em lei. Há notícias de violenta repressão por parte da polícia. O edifício do Parlamento foi cercado por tropas de policiais horas antes do início da sessão legislativa.

Cerca de 300 mil pessoas protestam contra as “reformas” do governo, na tentativa de pressionar os parlamentares a não aprovar ‘o saqueio’ na Previdência e a alteração das leis de trabalho, nos mesmos moldes das reformas de Michel Temer no Brasil.

Com o slogan “Sem Terra, Teto e Trabalho, a reforma é contra os de baixo”, trabalhadores e trabalhadoras argentinos protestam nesta quinta-feira (14) e entram em greve a meia noite contra as reformas Trabalhista e Previdenciária propostas pelo presidente Maurício Macri.

Na manifestação realizada nesta quarta, que reuniu mais de 100 mil pessoas no primeiro dia de protesto contra as reformas, o CTEP, Barrios de Pie, Corriente Clasista e Combativa e a Frente Popular Darío Santillán, caminharam até o Congresso Nacional, onde o assunto será discutido, e foram violentamente reprimidos pela polícia local, mas não recuaram. Ao contrário,  anunciaram uma vigilia em frente ao Congresso e anunciaram uma greve geral que se inicia hoje nos bancos.

Nós queríamos fazer um abraço ao Congresso, mas eles jogaram os cães sobre nós “, disse o deputado do Movimento Evita, Leonardo Grosso, quando a desconcentração dos movimentos sociais começou.” Não podemos colocar a integridade física de nossos companheiros em risco, amanhã (hoje) vamos retornar “, antecipou a referência do CTEP, Juan Grabois.

“Precisamos que o governo nacional pare de fazer ajustes sobre aqueles que têm menos. Nestas festas muitas famílias terão um mal tempo”, denunciou o coordenador nacional de Barrios de Pie, Daniel Menéndez.

Menendez também se referiu à reivindicação por uma Lei de Emergência Alimentar e denunciou que “48 por cento das crianças que freqüentam cozinhas em bairros pobres sofrem desnutrição”.

“Ao longo deste ano reunimos assinaturas e estamos satisfeitos com o forte apoio da sociedade civil que está obtendo o projeto Food Emergency. Isso mostra a grande solidariedade do povo como um todo com aqueles que têm menos “, disse ele.

Os trabalhadores prometem uma jornada de luta contra as reformas propostas pelo governo, que afetam severamente os mais pobres, denunciam.

E, hoje, a mobilização dos movimentos de base se uinirá a que foi convocada pela cúpula da CGT, CTA, Corrente |Federal e partidos de esquerda.

Fotos: Jornal Tiempo Argentino